30/09/2013
Seja o primeiro a comentar

Saúde e Segurança: dicas para ter uma longevidade saudável

SEGS

Uma data dedicada àqueles que já passaram por muitas primaveras. Além de um dia exclusivo, os idosos precisam de cuidados especiais durante o ano todo, principalmente quando o assunto é saúde. Isto, porque com o aumento da expectativa de vida de 78,5 anos para as mulheres e 71,5 para os homens, a população demandará cada vez mais este tipos de serviços.

Em comemoração ao Dia Internacional do Idoso, lembrado em 1º de outubro, a Gerente de enfermagem do Hospital Pasteur, Adriana Vaz Ribeiro lista dez dicas alcançar a longevidade de maneira saudável. “Nada como envelhecer com saúde, disposição e qualidade de vida. Mas ter saúde não é apenas abster-se de doenças. É conservar as funções orgânicas, físicas e mentais”, reforça a enfermeira. 

1.    Mexa-se

Os exercícios de flexibilidade e o treinamento de força são fundamentais para melhorar a sustentação muscular, o amortecimento de impactos e reduzir acidentes e lesões degenerativas do aparelho locomotor. Então, pratique pelo menos 30 minutos de atividade física todos os dias. A falta de condicionamento compromete a realização de tarefas simples do cotidiano, como se vestir, brincar e cuidar dos netos.

“No indivíduo sedentário, após os 60 anos, acontece uma importante redução da força nos membros inferiores, com diminuição da velocidade da marcha e equilíbrio, aumentando a incidência das temidas quedas e fraturas. O exercício bem dosado e supervisionado pode reverter essa perda de força, protegendo o idoso desses acidentes”, orienta Adriana. 

2.    Consulte médico com mais frequência

É importante fazer consultar e exames periódicos de rotina. Recomenda-se que o idoso vá acompanhado de um familiar em suas consultas médicas e realização de qualquer procedimento diagnóstico. Dessa forma, será mais seguro apreender as recomendações médicas.

3.    Disciplina com medicamentos

Os idosos que utilizam medicação de uso contínuo devem preparar uma relação em papel e compartilhar com a família, garantido que o tratamento seja seguido à risca conforme a orientação médica. Segundo Adriana os remédios não devem ser usados por conta própria, pois alguns causam desequilíbrio, possibilitando quedas. 

4.    Saúde à mesa

As mudanças fisiológicas naturais do envelhecimento interferem no apetite, no consumo e na absorção de nutrientes. Por isso, o consumo de alimentos saudáveis vai auxiliar também na redução de outras doenças relacionadas a essa fase e contribuir para o ritmo favorável de envelhecimento. Um cardápio composto de fibras, vitaminas e minerais ajuda a manter a força e o equilíbrio do idoso. A diminuição do sal nas refeições e evitar o consumo de bebidas alcoólicas, também são recomendados.

5.    Hidrate-se 

A ingestão de Ingesta hídrica é fator crucial para manter a qualidade de vida. Beber bastante água, chás e sucos - de preferência sem açúcar -  evita a desidratação e ressecamento da pele que fica mais frágil com o envelhecimento.

6.    Ajuste os itens de segurança

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) cerca de 5% a 10% da população com idade acima de 60 anos sofre algum tipo de acidente doméstico grave. 

Para reduzir este risco, pisos antiderrapantes, corrimões e rampas de acesso podem ser a solução. Porém, como nem sempre é possível viabilizar piso antiderrapante em toda a casa, é imprescindível que o calçado do idoso seja com solado antiderrapante. Não utilizar pantufas e chinelinhos com sola de tecido. 

7.    Atenção redobrada com o banheiro

O banheiro é um local que representa grande perigo aos idosos. A umidade e o piso escorregadio podem causar uma queda grave, podendo ser evitada com a instalação de um suporte de apoio dentro do box e próximo ao vaso sanitário. Não é recomendável que o idoso tranque a porta do banheiro, assim o socorro fica mais fácil em caso de acidente. 

8.    Decoração ao estilo segurança

Nas casas que moram idosos o estilo predominante deve ser o seguro. Tapetes, cadeiras e poltronas sem braços ou apoio nas costas, camas sem cabeceira podem dificultar a locomoção. O ambiente deve ser de fácil acesso e contar com apoios (para os momentos de levantar, sentar e deitar). A iluminação deve ser levada em conta nos cômodos de circulação do idoso (quarto, corredores, banheiro e cozinha).

9.    Minimize obstáculos

Outro fator importante é a altura e o tamanho dos móveis. Os objetos de maior uso devem estar ao alcance do idoso. Com isso evita-se que eles utilizem bancos ou escadas para alcançá-los. 

10. Cuidados especiais

Os idosos que sofrem de artrose e catarata precisam de cuidados especiais, visto que estes dois fatores potencializam os riscos de queda.

Avalie esta matéria:     0

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Olá Convidado
publicidade
Facebook
Twitter