29/10/2013
Seja o primeiro a comentar

Opte pelo fator previdenciário mais vantajoso

Diário de S. Paulo

Quem está prestes a se aposentar, seja por idade ou por tempo de contribuição, deve ficar atento à nova tabela de mortalidade da população brasileira que o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) deve publicar até o final de novembro.

O estudo serve de base para o INSS alterar os índices do fator previdenciário, o que significa dizer que o cálculo das aposentadorias pode sofrer alterações a partir do início de dezembro, quando entra em vigor. É preciso avaliar se o benefício requerido a partir de então será reduzido ou não.

Chamada de Tábua Completa de Mortalidade, a tabela elaborada pelo IBGE é atualizada anualmente e considera a expectativa de sobrevida da população. Ou seja, o estudo fixa o tempo médio de vida que é esperado para cada faixa etária. Em geral, a tábua eleva a expectativa de vida. Esse aumento faz o INSS reelaborar o fator previdenciário, já que se estima que a Previdência terá de pagar benefícios por mais tempo.

INSS - Consultor na área previdenciária, Jesus Divino Barbosa de Souza disse que a tabela a ser divulgada em novembro deve aumentar a expectativa de sobrevida em um mês na média. “Em alguns casos, pode não haver mudança e em outros a mudança pode chegar a dois meses. Não deve passar disso”, afirmou ele.

Para quem está pensando em entrar com pedido de aposentadoria no INSS e está em dúvida sobre alterações no valor do benefício, o melhor é avaliar a situação com cuidado. O interessado pode agendar o requerimento para depois da divulgação da Tábua de Mortalidade e fazer o cálculo depois de publicada a tabela.

O dia em que é feito o pedido de agendamento é que conta como data inicial do benefício. Se a nova tabela tiver um fator previdenciário que reduz ainda mais o valor, o trabalhador terá o direito de ter seu cálculo feito pela tábua que está em vigor até o final de novembro e, portanto, reduzir a perda. Se a futura tabela for melhor, basta cancelar o agendamento e depois marcar uma nova data.

No ano passado, por exemplo, a tabela do IBGE elevou o valor dos benefícios, já que houve uma redução média de 83 dias na expectativa de sobrevida da população.

Entrevista com Jesus de Souza, consultor

Para o consultor na área previdenciária Jesus Divino Barbosa de Souza, a pessoa que estiver interessada em entrar com um requerimento de aposentadoria não deve tomar atitudes impensadas. Segundo ele, nem sempre a mudança na Tábua de Mortalidade é prejudicial ao trabalhador.

DIÁRIO_ Quem está para se aposentar deve se apressar e requerer o benefício enquanto a atual tabela está em vigor?

JESUS DE SOUZA_ Não se deve tomar atitudes apressadas, porque o trabalhador pode sair perdendo com isso. O melhor é agendar o pedido do requerimento para depois da divulgação da tabela. Depois, ele poderá avaliar se vale a pena ou não usar a tabela que está em vigor agora. Se não valer, ele pode cancelar. o agendamento.

E que situações o trabalhador pode perder?

Às vezes, a pessoa está perto de fazer aniversário e deve esperar porque, com isso, ela vai mudar de faixa. O fator previdenciário muda e pode ficar mais vantajoso. Há casos em que o fator previdenciário até favorece a aposentadoria.

Avalie esta matéria:     0

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Olá Convidado
publicidade
Facebook
Twitter